Feeds:
Posts
Comentários

Archive for setembro \22\UTC 2009


João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.

Carlos Drummond de Andrade

Grande Drummond,

Conseguiu colocar em uma quadrilha um dilema que permeia minha breve história de encontros e desencontros de amor. Eu sou sempre uma Teresa, no meio de um João que me amava e outro Raimundo que, apesar de ser uma simpatia e ter os mesmos gostos e afinidades que eu, ama uma tal de Maria.

Não tenho lá muita sorte com essa coisa de amor. Ser a Teresa da história não é das coisas mais simples. O tal João pode ser um amor, mandar poemas bonitinhos escritos por ele pensando em você, ter a maior das considerações ao te dar um chocolate meio derretido ou fazer de tudo para ajudar a encontrar um maldito estágio que não quer aparecer. O tal Joào pode ser uma dádiva em um dia de tristeza, pode oferecer um abraço amigo quando o tal do Raimundo, besta que é, te deixou na mão em mais uma festa. Mas não adianta. Não bate. Não tem aquela liga, aquela química, o friozinho na barriga.

Acho que eu, como a grande maioria das pessoas, tem uma certa tendência de ser mais simpática com o João quando percebe que este nutre, digamos, um sentimento especial. Não na intenção de dar esperanças ou manter aceso este sentimento para uma decisão posterior. Simpatia também tem limite e, o telefone toca e toca, mas não é atendido no sábado a noite para uma saída a dois. Mas é como se fosse uma obrigação, assim, não escrita, de retribuir com simpatia e consideração, com o maior cuidado para não magoar alguém que nos guarda tão bem.

Acaba que não adianta. A gente sempre magoa.  E como é uma merda magoar. Se desse assim, como em um passe de mágica, para passar o sentimento do João para o Raimundo, olha que problemão se teria evitado! Maria, já sem o peso de não corresponder Raimundo poderia amar Joaquim livremente, e já que Lili não amava ninguém mesmo, não sentiria falta das constantes investidas de Joaquim, que no tempo em que corria esta quadrilha, dava para enviar-lhe bilhetinhos românticos, convidando para um encontro na pracinha ao qual ela nunca foi.  João, do lado de cá, ficaria livre para buscar um novo amor, quem sabe na Lili, que estava sozinha na ponta de lá da história.

Mas que me perdoem, leitores assíduos deste blog, pior que magoar é ser magoado. Meu Deus, e como dói! Poderia existir uma vacina, ou ser dessas doenças em que se adquire imunição imediata após o primeiro contágio. Mas não. Bicho bobo, cai pela segunda, e terceira, e quarta vez na mesma armadilha. E aí dói tudo denovo, sem essa de que a experiência ajuda.

Logo que terminei meu primeiro namoro, ainda naquela de se desvencilhar de todas as coisas que se divide enquanto se namora, uma amiga de infância, uns bons 6 anos mais velha que eu, me encontrou na rua e na maior tranquilidade me falou: fica tranquila, sempre parece que vai ser assim pra sempre, mas depois de um tempo você vai ver, vai passar e você nem vai lembrar mais disso.

Passou mesmo. E depois dessa, já passaram algumas vezes mais. Como disse, não tenho lá muita sorte. É incrível como passa, e o bichinho burro não aprende. Não que seja muito ligada em astrologia, mas esse negócio de ser Peixes deve ter algo a ver. É um signo meio áreo (tá, vale a piadinha) meio romântico, sentimental. Tenho a impressão que serei velhinha, dessas bem enrugadinhas, e ainda vou andar suspirando por aí.

Uma vez um cara que leu a minha mão (lá vou eu para a quiromancia) me disse que meu lado masculino era maior que o feminino. Ou alguma coisa do gênero, não lembro direito, era apenas isso de que eu tinha um lado masculino importante e grande para uma mulher. Na hora fiquei meio triste, acho legal essas coisas bem femininas, e morro de rir nessas comédias a la Sex and the City que a gente ri só por se identificar com as besteiras que elas fazem. Comecei a prestar atenção, e até que pode ser verdade.

Comecei a perceber que os Raimundos tem a mesma consideração comigo do que eu tenho pelo Joões. Raimundos me tratam bem. Raimundos respondem faceiros as ligações (menos no sábado a noite) e são gentis quando me encontram na rua. Raimundos tem a gentileza de perguntar como tudo está no fim do mundo, mesmo sem ter a intenção de ir, ao menos não tão cedo. Raimundos falam que vão ligar, nem que seja para tomar um café. E não ligam. (bah, também não liguei, agora foi). Eles também não querem magoar. Magoar é chato. Magoar também dói. Menos do que ser magoado. Também passa mais rápido. Mas dói. E não é legal.

O bom é que tudo isso um dia passa. E é tão bom quando passa! Dá aquela leveza de acordar como novo, depois de uma noite bem dormida, pronto pra ver as novas surpresas que surgem assim, quando se menos espera.

Se eu tiver a sorte de não acabar como a Teresa de Drummond, em um convento (o que acho difícil até porque não tenho lá muita vocação para freira), ainda acredito que um dia um novo Raimundo não vai amar Maria coisa nenhuma, e vai amar Teresa, que puxa vida essa história tem que ter um final feliz.

Anúncios

Read Full Post »

About Brazilian movies

Due to the huge success of City of God and Elite Squad, many of my friends are asking me about other good brazilian movies.  Here is a list of good movies (all in my opinion, ok?). The names are in portuguese, but you easily can find the subtitles in english online:

Meu nome não é Johnny

O homem que copiava

Saneamento basico

O auto da Compadecida ( this movie has many national references. Is a comedy, but might be not so funny

Se eu fosse você

Os normais

2 filhos de francisco

Caramuru, a descoberta do Brasil

Lisbela e o prisioneiro

Dom

O ano em que meus pais sairam de férias

Era uma vez ( it is a romance, but nice to understand the reality, social differences in Brazil, specially in Rio)

In the cult area:

Lavoura arcaica (very good, Selton Mello is amazingly good here)

O cheiro do ralo ( I didnt watch yet, but Gabi told me its one of the best brazilian movies ever. And I trust her opinions 😉  )

Cinema, aspirinas e urubus 5only watch if you really like more alternative and slow movies. I liked it, but it is really not mainstream)

Well; hope the popcorn is ready! Have fun!

Read Full Post »